You are currently viewing Deputados portugueses pedem fim da isenção de impostos aos partidos políticos
Isenção de Impostos

Deputados portugueses pedem fim da isenção de impostos aos partidos políticos

Projeto de Lei pretende alterar a lei de financiamento dos partidos políticos

Notícia destacada na Newsletter #21 do IBDESC e da ABRINTER. Clique na imagem e torne-se Membro.

Engana-se quem pensa que o financiamento público de partidos políticos é tema espinhoso somente no Brasil. Igualmente em Portugal o tema causa polêmica e indignação entre os contribuintes.

A Lei n.º 19/2003 regula o regime aplicável aos recursos financeiros dos partidos políticos e das campanhas eleitorais. Segundo a legislação, um partido político é financiado com receitas próprias, financiamento privado e subvenções públicas.

Com uma atividade legislativa aquecida, o Parlamento português recebeu hoje (2/5/2022) uma iniciativa no mínimo corajosa.

O Projeto de Lei n.º 68/XV/1.ª de autoria do grupo parlamentar do partido CHEGA traz uma proposta de alteração à Lei n.º 19/2003 com o objetivo de intentar a revogação de parte do art. 10.º, que trata de isenção de impostos aos partidos políticos.

Assim, o PL pretende retirar a isenção concedida ao imposto de selo; imposto sobre sucessões e doações; e imposto municipal sobre as transmissões onerosas de imóveis.

Na exposição de motivos, o CHEGA traça um paralelo entre o aumento da carga tributária aos portugueses (o Instituto Nacional de Estatística dá conta de que a carga fiscal aumentou 7,1% em 2021) e os benefícios fiscais concedidos aos partidos políticos.

“Para se dar um exemplo prático, trazendo à colação o IMI, imposto que onera qualquer cidadão que seja proprietário de um imóvel, independentemente do valor que o Município da área a que diga respeito exija, os partidos políticos aglomeram milhões e milhões de euros em património imobiliário, património esse, isento da respetiva tributação em sede de IMI. Só em 2017, o PSD declarou 5,9 milhões de euros em ativos fixos tangíveis, rubrica que com a reavaliação em 2018 aumentou para 26,3 milhões que na verdade passou então a representar mais de metade do valor patrimonial declarado por todos os partidos políticos portugueses.”

E você, o que acha dessa iniciativa do CHEGA?

Internacionalize a sua advocacia.
Clique aqui e conheça os cursos do IBDESC!

Deixe uma resposta